Natal no Alentejo

Nossas tradições natalinas encantam os turistas todo ano, e são bem diferentes dos costumes brasileiros. Quer conhecer algumas?

Para que não falte pão nas casas, no início de dezembro, plantamos sementes de trigo em pequenos vasos com algodão embebido em água. De acordo com o costume, as plantas germinam e são colocadas junto ao presépio até o Dia de Reis, quando as transplantamos para a terra.
Os presépios, aliás, são destaque nesta época. Um dos mais conhecidos do país é o da cidade de Estremoz, feito com bonecos de barro de um estilo próprio e cores alegres. A vila de Monsaraz também recebe 46 figuras em tamanho real, feitas de ferro e cerâmica, que são espalhadas por suas ruas de pedra.

Em Beja, um presépio vivo conta toda a história do nascimento de Jesus em versos. A encenação, conhecida como o Auto de Natal, acontece diversas vezes até o Dia de Reis. Já em Elvas, o teatro dá lugar aos cânticos natalinos, que são acompanhados pelo som da ronca, um instrumento musical tradicional parecido com a cuíca.
Durante o mês de dezembro, coletamos pedaços de madeira que são reunidos nas principais praças das aldeias e vilas da região. Na véspera do Natal, fazemos com eles uma enorme fogueira que, segundo a crença, ilumina o nascimento de Jesus e aquece a noite de inverno. As chamas podem chegar à altura das igrejas, e enquanto estão acesas, bebemos vinho e relembramos bons momentos.

O jantar da véspera de Natal é conhecido como Consoada, e tem pratos à base de peixe, como sopa de cação, pescada frita e bacalhau, seguindo o antigo preceito de abstinência. Depois da Missa do Galo, no entanto, o jejum de carne vermelha é encerrado com uma ceia que inclui muita carne de porco.